Ronda: oratório malungo

Sei que ele pegou o tempo da perseguição, quando candomblé era proibido, condenado por médico e padre, tratado de crime pelas autoridades. Tanto no de Mãe Mariana quanto em outros abaçás, ouvi dos mais velhos muitas histórias sobre as peripécias amargas desse anteontem. Na dita época, volta e meia a polícia invadia os terreiros, em missão de terror. Os soldados já chegavam quebrando tudo, batendo em homem, mulher e criança, injuriando velhos e moços; arrasavam pejis a pata de cavalo, quebravam quartinhas e alguidares, jogavam no lixo as oferendas, os remédios, os apreparos: um miserê! O que não destruíam, usavam nas procissões de galhofa: obrigavam iaôs e ebames a marchar pela ruia carregando na cabeça louças, otás e ferramentas de santo. Feitos e feitas seguiam assim para a delegacia, debaixo da vaia dos brancos, da molecada.”

(Texto extraído do site da Editora 7letras)

Obra vencedora do Prêmio Braskem ALB 2010

 

 

Editora: 7Letras
Autor(es): Ordep Serra

177 páginas
1ª edição (2011)
Assunto: Romance brasileiro.
ISBN:
9788575777671

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s